terça-feira, 3 de outubro de 2017

Graça e paz

Graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!

Este era um dos cumprimentos favoritos do apóstolo Paulo, hoje São Paulo, quando escrevia em suas cartas as palavras que animavam as comunidades por onde havia passado, anunciando o Evangelho.

Graça e paz, palavras que quando presentes no vocabulário do cristão, enchem de ânimo e sentido a vida de quem fala e de quem ouve.

Mas que podem ser ausentes, deixando a vida sem graça, literalmente.

Por onde anda a sua graça? Por onde anda a sua paz?
Graça. Dom sobrenatural, como meio de salvação ou satisfação. Gracejo, ação que alegra e faz sorrir. Elegância. Bondade. Indulgência. O que é gratuito, não tem preço.

São muitos os significados que a palavra graça pode nos trazer, não é? É uma graça, está de graça, nem de graça!

Quando algo vai bem, dizemos: "graças a Deus", talvez até sem perceber. E ao dizer isso, ao mesmo tempo dizemos "obrigado, Senhor" e "sem Ti, nada disso seria possível".

Mas, se tudo acontece pela graça de Deus, por que as coisas parecem perder a graça de vez em quando?
A resposta está na pergunta.

Se a única fonte de graças, de bençãos, é Deus nosso Pai, sentir falta de graça significa estar se afastando d'Ele.

Foi essa a experiência de tantos santos da Igreja (para não dizer todos) experimentaram, e mesmo de cada um de nós sentimos, quando nos aproximamos de Deus após um breve afastamento.

Mas nós chamamos de felicidade e esquecemos de chamar de bênção.

E confundimos com euforia, com coisas que passam.

E temos a ilusão que Deus passa, e por isso nos falta paz.
A verdade é uma só: Deus está sempre com a gente. Sempre, sem exceção!

E quando escolhemos acreditar nessa verdade, a paz é a única consequência possível.

Há quem te peça "segura na mão de Deus e vai", mas isso só se torna possível quando pode vê-lo ao seu lado.

Para tudo ter graça, encontrar a sonhada paz e transmití-la por onde passar, só existe um caminho, uma verdade e uma vida.

Deus te ama gratuitamente, e quer te ensinar a amar também.

Não resista a esse amor tão grande!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Amor não é assédio

Vivemos dias de confusão, pois perdemos a referência do que é ou não é o amor. Verdadeiro ou falso, as pessoas dizem estar em busca do amor em tudo o que fazem.

Mas até onde vale a pena levar adiante uma mentira em nome do próprio bem estar? Estar bem significa que o outro estará mal? Onde está o amor?

Estas e outras perguntas começam a ser respondidas, agora.


Assédio. Insistência impertinente, perseguição, sugestão ou pretensão constantes em relação a alguém. Comportamento desagradável a alguém. Intromissão, repetição.

A palavra que já foi usada apenas para descrever uma ação militar, que pretende cercar o inimigo e vencê-lo pelo cansaço, ganhou recentemente outras traduções. Ganhou também complementos: moral, sexual, psicológico.

A ideia é a mesma: rodear, não dar espaço, vencer sem se preocupar com o outro.

Quem conhece o amor verdeiramente não o confunde.

É impossível chamar de amor qualquer relação onde apenas um se enobrece, enquanto o outro entristece.

A referência do cristão está no Capítulo 13 da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios. Trago aqui alguns versículos para a gente pensar um pouco:

Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança. Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido. Por ora subsistem a fé, a esperança e o amor - as três. Porém, a maior delas é o amor.
(I Cor 13, 11-13)

Os versículos anteriores a estes são fundamentais, pois neles Paulo descreve as características do amor: paciente, bondoso, sem orgulho ou inveja, não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade, dentre tantas outras.

Mas aqui, ressalto os últimos versículos desta passagem. Por quê? Neles, Paulo nos mostra para onde Deus nos (e)leva quando abrimos para Ele as portas de nosso coração: ao amadurecimento do amor.

Se você ainda enxerga por um espelho, através de uma imagem confusa, é sinal de que seu amor ainda precisa amadurecer.

Quando ouvir falar de alguém que ainda não é capaz de amar, não a julgue. Talvez ela esteja caminhando nesse sentido. Talvez não seja tão simples deixar para trás os dias de criança. Talvez ainda ela nunca tenha ouvido falar no verdadeiro amor.

Faça a sua parte. Ame!

E se acredita que amar é algo que não pode ser ensinado, não duvide, o amor pode sim ser aprendido!

Daquele que amou até o último segundo.

Daquele que nos amou até a morte, na cruz.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

A covardia

- Covarde! Covardia!

Alguém é covarde quando nele falta coragem ou sobra soberba. Ser chamado de covarde é no mínimo ruim, e chamar alguém assim pode ser algo pesado para quem escuta.

Mas se o covarde tem medo, ele tem medo do quê? Já se sentiu covarde diante de uma situação inesperada? O medo é capaz de te paralisar? Jesus já teve medo?

Vamos pensar um pouco!
Covardia. Ausência de bravura, fuga, medo que paralisa. Agressão a quem não é capaz de se defender. Não tentar, não buscar, não ser capaz. Falta de atitude.

Esta palavra pode te parecer pesada para uma reflexão, ao primeiro olhar. Isso acontece porque somos humanos e não gostamos de ser confrontados, e isso aumenta nos últimos tempos, principalmente nas redes sociais. Queremos ver coisas interessantes e bonitas o tempo todo e quando algo diferente aparece, oooops, queremos evitar isso a todo custo!

E é assim, em atitudes simples como fechar os olhos, que permitimos que tantas coisas ruins aconteçam no mundo. Sobretudo em nosso país, neste momento de instabilidade política em que não sabemos em quem podemos confiar.
É errado quem comete o crime. É errado quem omite e se omite também. Nos sentimos assim, quebrados, perdidos, sozinhos, covardes. Logo, algo que era distante se torna parte de nós. Compreende agora?

Em momentos como esse onde faltam referências, nós, cristãos católicos, recorremos aos documentos oficiais da Igreja e à Bíblia Sagrada. Voltemos aos momentos finais da crucificação de Cristo, minutos antes de sua morte, para dar um passo adiante.

Por cima de sua cabeça penduraram um escrito trazendo o motivo de sua crucificação: Este é Jesus, o rei dos judeus. Ao mesmo tempo foram crucificados com ele dois ladrões, um à sua direita e outro à sua esquerda. Os que passavam o injuriavam, sacudiam a cabeça e diziam: "Tu, que destróis o templo e o reconstróis em três dias, salva-te a ti mesmo! Se és o Filho de Deus, desce da cruz!". Os príncipes dos sacerdotes, os escribas e os anciãos também zombavam dele: "Ele salvou a outros e não pode salvar-se a si mesmo! Se é rei de Israel, desça agora da cruz e nós creremos nele! Confiou em Deus, Deus o livre agora, se o ama, porque ele disse: Eu sou o Filho de Deus!". E os ladrões, crucificados com ele, também o ultrajavam. Desde a hora sexta até a nona, cobriu-se toda a terra de trevas. Próximo da hora nona, Jesus exclamou em voz forte: "Eli, Eli, lammá sabactáni?" - o que quer dizer: "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?". A estas palavras, alguns dos que lá estavam diziam: "Ele chama por Elias". Imediatamente um deles tomou uma esponja, embebeu-a em vinagre e apresentou-lha na ponta de uma vara para que bebesse. Os outros diziam: "Deixa! Vejamos se Elias virá socorrê-lo." Jesus de novo lançou um grande brado, e entregou a alma. E eis que o véu do templo se rasgou em duas partes de alto a baixo, a terra tremeu, fenderam-se as rochas.

(Mateus 27, 36-50)
Quem observa esta cena e escuta essa história, é convidado a pensar que Jesus foi covarde ao perguntar, aos gritos, se o Pai havia lhe abandonado. Mas olhando mais de perto, percebemos que ali Cristo tomou uma decisão. Ninguém poderia colocar estas palavras na boca d'Ele, mas Ele assim o fez. Por quê?

A resposta não é simples: aqui, Jesus nos ensina a fazer a escolha pelo Amor. Se todos zombavam d'Ele, dizendo que Deus havia lhe abandonado, Jesus usou as mesmas palavras para provar o contrário. Não foi nada covarde sua atitude.

Cristo se fez homem para nos ensinar a escolher pelo Amor. Não se sentir sozinho é essencial para deixar a covardia de lado e abrir espaço a uma fé inquieta.
Fabrício Carpinejar, poeta e escritor brasileiro, traduz em uma frase este pensamento: "a covardia é um medo sozinho, o amor é um medo a dois". Quem já se sentiu sozinho, ao menos por uma vez, entende o que o poeta quer dizer. E quem já conheceu a Cristo entende também que se sentir assim é uma opção.

Afinal, quem escolheu Jesus como amigo e permite que Ele seja também amigo de suas misérias tem como única resposta o amor mais verdadeiro. Mas Deus nos deu o livre arbítrio quando nos criou, tornando o amor em uma decisão.

Permita que Ele esteja ao seu lado e não mais fique paralisado diante das tempestades da vida.




Leia também:

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

O sucesso

O primeiro texto de 2017 traz como tema o sucesso! Esta é uma palavra recorrente nos últimos dias e também nos primeiros dias de todos os anos. Buscamos sucesso em nossas ações a todo momento e queremos ser reconhecidos como pessoas de sucesso entre nossos familiares e amigos.

Definir sucesso parece desnecessário? Talvez. Mas...para onde o sucesso tem te levado? É capaz de se reconhecer um sucesso, ao menos por um instante? E quando alcançá-lo, o que pretende fazer com ele?

Caminhe comigo, rumo a vitória!
Sucesso. Bom resultado. Êxito. O final da empreitada. O final de um acordo. Glamour. Reconhecimento. Como disse antes, esta é uma palavra que todos nós acreditamos conhecer bem, por tanto buscá-la. Mas calma, não se apresse! Alcançar o topo da montanha é para poucos!

A figura do alpinista representa bem a ideia de sucesso que possuimos hoje. O esforço, a concentração e o quanto você é bom naquilo que faz te levará ao sucesso, onde a paisagem é bela e vale a pena chegar lá, mesmo que não possa por lá permanecer por muito tempo. E se pintar uma pitada de sorte, ela será bem vinda.
E se de repente você desistir no caminho, por qualquer motivo? Isso vai fazer de você um fracasso? Embora pense que não, e você tem razão, infelizmente hoje somos levados a pensar que sim. E ninguém quer ser um fracasso, não é?

A consequência desse breve pensamento é que somos levados a esconder nossos erros, nossas falhas, nossas dúvidas, nossos "mas..." pelo medo de parecer frágeis, fracos, fracassos. Por defesa, deixamos nos convencer pelo orgulho, não somos capazes de perdoar.
Para muitos, sucesso é sinônimo de ser alvo de paparazzi. Basta escolher a rede social de sua preferência para se certificar disso. Muitos de nós "brincamos" de ser seguidos e perseguidos por elas, as câmeras fotográficas. Até nos esforçamos para parecer espontâneos nas fotos que obviamente não são.

O sucesso aqui é medido pela quantidades de likes, seguidas de volta e comentários ricos em aplausos. Mas ele dura pouco, até a próxima foto para ser mais preciso. E likes a menos significa, igualmente, fracasso a mais.
Ser digno de aplausos, se tornar referência em um assunto, ganhar notoriedade, servir de exemplo. Tudo isso tem a ver com a nossa natureza humana, e é muito bom, não há razão para se sentir culpado por isso! O problema está em se perder no meio do caminho, naquilo que chamamos de idolatria. Ou no caso do próprio tu, egolatria.

Se comparar a Deus, querer se tornar um deus para alguém, rivalizar ou se comparar com Ele é ruim para você e para quem te rodeia. É ruim porque não está levando mais Deus para as pessoas. É ruim porque não levando mais pessoas para Deus. E enquanto se preocupa em ser melhor do que era ontem, pode se esquecer de ser melhor para os outros.
Ser um sucesso segundo Deus significa caminhar cada a dia em direção ao céu. Foi isso o que ele buscou nos ensinar durante sua vida na Terra. Foi isso o que os apóstolos e santos aprenderam e colocaram em prática, eis a razão para termos certeza de que estão ao lado d'Ele agora.

E se não ganhar louros e troféus por isso, não desanime!! Todo o capítulo 6 do Evangelho de São Mateus merece sua leitura nesse momento. Aqui, trago os dois últimos versículos, em resumo de nossa conversa:

Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo. Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado.
(Mt 6, 33-34)

Não se deixe atropelar por seus objetivos!! Aprendamos de Cristo que o verdadeiro sucesso não se encontra nesse mundo.